Os 10 mandamentos (da segurança em duas rodas)

Se Moisés tivesse subido o monte Sinai em uma bicicleta, os mandamentos poderiam ter sido outros.

1) Anteciparás os riscos e observarás antes de decidir
Em ambientes urbanos de trânsito intenso é preciso atenção redobrada. Olhar na frente, olhar do lado e olhar atrás. Antes de entrar na rua, olhar. Ao passar um cruzamento, olhar. Ao andar pela rua, olhar. Antes de manobrar para dobrar uma esquina, olhar. Antes de parar, olhar. Você não pode olhar em excesso quando anda de bicicleta. Um buraco no asfalto que não seja identificado a tempo pode virar um tombo de consequências graves dependendo de outros fatores. Um segundo de desatenção no cruzamento e os riscos crescem de maneira vertigionosa. Para evitar isso, é preciso estar alerta sempre, em permanente vigilância para identificar riscos, antecipá-los e evitá-los. Continue reading

Coisas que você precisa saber para começar a pedalar em 2016

Ano novo e as promessas não variam muito – geralmente incluem o trio saúde, felicidade e dinheiro. Pois a resposta para todos eles pode estar concentrada em um simples objeto: bicicleta. Transforme-a em seu principal meio de transporte na cidade e sua saúde geral vai melhorar, vai sobrar mais dinheiro e você vai ficar mais feliz.

Iniciar é o mais difícil. As dúvidas são muitas. Que bicicleta comprar? Que acessórios são necessários? Como lidar com o trânsito? Essas e outras questões que você nem imaginava vão surgir na hora em que você começar.

Embora exista ao redor da bicicleta uma comunidade coesa e acolhedora, muita gente não tem a chance de encontrar com outras pessoas antes de se iniciar na prática do ciclismo urbano e acaba tendo que aprender por tentativa e erro. Veja abaixo a nossa lista com dez coisas que você precisa saber antes de subir no selim e transformar a bicicleta no seu veículo para a cidade em 2016. Qual a sua dica para começar o ano novo pedalando? Escreva na caixa de comentários.

Imagem: Flickr Karen Ka Ying Wong4140660016_f98ed36eaf_z

Continue reading

Quando e por que ocupar a pista

Um ciclista londrino escapou da morte ao ser atingido por uma porta aberta de um carro estacionado, perder o controle de sua bicicleta e ser jogado diante de um táxi em movimento. O vídeo da cena — feito de dentro do táxi envolvido e que se viralizou na semana passada — é didático ao mostrar os riscos a que ciclistas estão expostos ao circular próximos demais de carros estacionados.

Continue reading

A revolução que poderia ter acontecido

Em 1974, o programa Panorama da BBC dedicou uma edição ao ciclismo como meio de transporte na Inglaterra.

“Diante das alternativas de aumento do caos no trânsito de um lado ou a falta de combustível do outro”, dizia o repórter, “os pedais vem se tornando cada vez mais atrativos. Pode até significar que nossas cidades reencontrem sua dimensão humana. Afinal de contas não é fácil se relacionar com outros seres humanos quando eles estão trancados em caixas de aço”.

A crise do petróleo foi substituida pelo boom do Mar do Norte e os planos revolucionários foram arquivados. Mas finalmente agora, 40 anos depois, uma breve comparação das ruas nos informa que sim, a revolução anunciada nos anos 70 parece estar tomando corpo.

Como reduzir as ruas pode ajudar a reduzir os congestionamentos

Publicado originalmente em inglês no The New Zealand Herald, em 9 de setembro de 2014.

Dr. Jamie Hosking

Todos odiamos congestionamentos. A resposta habitual para as ruas congestionadas na Nova Zelândia, especialmente em Auckland, é alargar a via congestionada – transformar uma estrada de duas pistas em quatro.

Embora à primeira vista pareça fazer sentido, essa não é a única solução, nem a melhor.

A construção de mais estradas em resposta ao congestionamento é muitas vezes comparado a lidar com a obesidade, soltando seu cinto. Esta é uma comparação útil, pois mostra que a construção de estradas maiores não pode resolver o problema subjacente. O problema de fundo é que há muitos carros.

Mas a construção de mais estradas é ainda pior do que afrouxar o cinto, pois incentiva as pessoas a dirigir mais.

Planejadores de transporte usam termos como demanda latente e tráfego induzido de explicar isso, mas pode ser explicado em linguagem simples.

Se a população de uma cidade está crescendo, a estrada vai se tornar mais movimentada. Isso continua até que a quantidade de tráfego na hora do rush não pode crescer mais. O congestionamento impede mais pessoas de usar a estrada.

Em outras palavras, uma estrada congestionada afasta as pessoas. Assim, se uma ponte está congestionado na parte da manhã, as pessoas estão mais propensas a pegar o ônibus para o trabalho em vez de dirigir através da ponte. Quem pensava em fazer compras, pode decidir ir para outro local, em vez de enfrentar o tráfego. Ou, se a viagem não era tão importante, pode simplesmente ficar em casa.

O outro lado é que se fizermos um caminho menos congestionado, mais as pessoas vão dirigir nele. Então, se uma estrada é expandida de dois para quatro pistas, velocidades de tráfego vai aumentar no início, mas à medida que mais e mais carros usam a estrada, o congestionamento vai crescer novamente. O resultado final é uma estrada de quatro pistas com o mesmo congestionamento e velocidades como a estrada de duas pistas original.

Se tudo o que importa é o fluxo dos carros, então não estamos em melhor situação. Estamos na verdade em situação pior. Porque na estrada de quatro pistas, há o dobro de pessoas preso no trânsito. Isso significa o dobro do tempo perdido.

Isso nos lembra que precisamos pensar menos em estradas e carros, e muito mais sobre como fazer com que as pessoas cheguem onde querem ir.

Em Auckland, temos vindo a construir mais e maiores estradas durante anos, mas nos horários de pico nossas estradas ainda estão obstruídos. Se nos lembrarmos que as estradas maiores incentivar mais carros, isso não é surpreendente.

Se começarmos a pensar sobre as pessoas, em vez de estradas e carros, a alternativa se torna óbvia. Nosso objetivo não deve ser o livre fluxo de automóveis, porque sabemos que a longo prazo isso nunca vai acontecer. Nosso objetivo deve ser o fluxo livre de pessoas.

Uma maneira de conseguir isso é a construção de transporte público rápido. Este precisa de seu próprio espaço protegido, como trens e ônibus com pista exclusiva.

Transporte público rápido é uma grande resposta para o congestionamento, porque o congestionamento prova há um monte de gente tentando ir na mesma direção, e isso é exatamente o que precisa de transporte público.

Outra maneira de obter livre fluxo de pessoas é melhor infra-estrutura para caminhadas e ciclismo. Por exemplo, através de rotas parques e vias verdes ajudar as pessoas a andar de bicicleta fora das estradas congestionadas.

Talvez a melhor maneira de todos é projetar nossos bairros e cidades melhores. Quanto mais coisas que as pessoas podem fazer no local, em vez de ter que atravessar a cidade, menos tempo eles vão gastar preso no trânsito. Construção de estradas enfraquece serviços e empresas locais, porque incentiva as pessoas a conduzir em toda a cidade para ir às compras em seu lugar. O oposto é a intensificação, o que traz mais pessoas para um centro de cidade para viver em casas e apartamentos de alta densidade, e atrai empresas e serviços mais locais.

É por isso que os bairros e cidades que querem ser mais habitáveis ​​estão fazendo estradas menores. Isso libera espaço para corredores de ônibus, ciclovias ou novas áreas públicas, ele empurra as pessoas para fora de seus carros ou incentiva-los a fazer as coisas localmente em vez de atravessar toda a cidade. O resultado é menos pessoas presas no trânsito, mais saudáveis ​​empresas locais e bairros que são muito melhores lugares para se viver.

Este é um lembrete oportuno para a prefeitura de Auckland, que vem considerando a possibilidade de reduzir os gastos com grandes novos projetos mobilidade. Cidades habitáveis ​​não tentam tornar o tráfego mais rápido. Elas libertam as pessoas do tráfego.

Professor e pesquisador em saúde e transporte na Universidade de Auckland.