Como reduzir as ruas pode ajudar a reduzir os congestionamentos

Publicado originalmente em inglês no The New Zealand Herald, em 9 de setembro de 2014.

Dr. Jamie Hosking

Todos odiamos congestionamentos. A resposta habitual para as ruas congestionadas na Nova Zelândia, especialmente em Auckland, é alargar a via congestionada – transformar uma estrada de duas pistas em quatro.

Embora à primeira vista pareça fazer sentido, essa não é a única solução, nem a melhor.

A construção de mais estradas em resposta ao congestionamento é muitas vezes comparado a lidar com a obesidade, soltando seu cinto. Esta é uma comparação útil, pois mostra que a construção de estradas maiores não pode resolver o problema subjacente. O problema de fundo é que há muitos carros.

Mas a construção de mais estradas é ainda pior do que afrouxar o cinto, pois incentiva as pessoas a dirigir mais.

Planejadores de transporte usam termos como demanda latente e tráfego induzido de explicar isso, mas pode ser explicado em linguagem simples.

Se a população de uma cidade está crescendo, a estrada vai se tornar mais movimentada. Isso continua até que a quantidade de tráfego na hora do rush não pode crescer mais. O congestionamento impede mais pessoas de usar a estrada.

Em outras palavras, uma estrada congestionada afasta as pessoas. Assim, se uma ponte está congestionado na parte da manhã, as pessoas estão mais propensas a pegar o ônibus para o trabalho em vez de dirigir através da ponte. Quem pensava em fazer compras, pode decidir ir para outro local, em vez de enfrentar o tráfego. Ou, se a viagem não era tão importante, pode simplesmente ficar em casa.

O outro lado é que se fizermos um caminho menos congestionado, mais as pessoas vão dirigir nele. Então, se uma estrada é expandida de dois para quatro pistas, velocidades de tráfego vai aumentar no início, mas à medida que mais e mais carros usam a estrada, o congestionamento vai crescer novamente. O resultado final é uma estrada de quatro pistas com o mesmo congestionamento e velocidades como a estrada de duas pistas original.

Se tudo o que importa é o fluxo dos carros, então não estamos em melhor situação. Estamos na verdade em situação pior. Porque na estrada de quatro pistas, há o dobro de pessoas preso no trânsito. Isso significa o dobro do tempo perdido.

Isso nos lembra que precisamos pensar menos em estradas e carros, e muito mais sobre como fazer com que as pessoas cheguem onde querem ir.

Em Auckland, temos vindo a construir mais e maiores estradas durante anos, mas nos horários de pico nossas estradas ainda estão obstruídos. Se nos lembrarmos que as estradas maiores incentivar mais carros, isso não é surpreendente.

Se começarmos a pensar sobre as pessoas, em vez de estradas e carros, a alternativa se torna óbvia. Nosso objetivo não deve ser o livre fluxo de automóveis, porque sabemos que a longo prazo isso nunca vai acontecer. Nosso objetivo deve ser o fluxo livre de pessoas.

Uma maneira de conseguir isso é a construção de transporte público rápido. Este precisa de seu próprio espaço protegido, como trens e ônibus com pista exclusiva.

Transporte público rápido é uma grande resposta para o congestionamento, porque o congestionamento prova há um monte de gente tentando ir na mesma direção, e isso é exatamente o que precisa de transporte público.

Outra maneira de obter livre fluxo de pessoas é melhor infra-estrutura para caminhadas e ciclismo. Por exemplo, através de rotas parques e vias verdes ajudar as pessoas a andar de bicicleta fora das estradas congestionadas.

Talvez a melhor maneira de todos é projetar nossos bairros e cidades melhores. Quanto mais coisas que as pessoas podem fazer no local, em vez de ter que atravessar a cidade, menos tempo eles vão gastar preso no trânsito. Construção de estradas enfraquece serviços e empresas locais, porque incentiva as pessoas a conduzir em toda a cidade para ir às compras em seu lugar. O oposto é a intensificação, o que traz mais pessoas para um centro de cidade para viver em casas e apartamentos de alta densidade, e atrai empresas e serviços mais locais.

É por isso que os bairros e cidades que querem ser mais habitáveis ​​estão fazendo estradas menores. Isso libera espaço para corredores de ônibus, ciclovias ou novas áreas públicas, ele empurra as pessoas para fora de seus carros ou incentiva-los a fazer as coisas localmente em vez de atravessar toda a cidade. O resultado é menos pessoas presas no trânsito, mais saudáveis ​​empresas locais e bairros que são muito melhores lugares para se viver.

Este é um lembrete oportuno para a prefeitura de Auckland, que vem considerando a possibilidade de reduzir os gastos com grandes novos projetos mobilidade. Cidades habitáveis ​​não tentam tornar o tráfego mais rápido. Elas libertam as pessoas do tráfego.

Professor e pesquisador em saúde e transporte na Universidade de Auckland.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s